PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM HANSENÍASE NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DE SÃO LUIS DE MONTES BELOS, NO PERÍODO DE 2008 A 2014.

Thiago Zanardo, Sumaia Santos, Vanusa Oliveira, Ricardo Mota, Brenda Mendonça, Daniela Nogueira, Eda Barros, Bruna Monteiro, Vanessa Gonçalves, Sirlene Guimarães

Resumo


A hanseníase é uma enfermidade infectocontagiosa negligenciada, restrita ao ser humano, com distribuição mundial. Apesar de curável, continua sendo um problema de saúde pública e o Brasil é o segundo país mais endêmico do mundo. O objetivo desse artigo foi analisar o perfil epidemiológico dos portadores de hanseníase no período de 2008 à 2014 no município de São Luís de Montes Belos-GO. Trata – se de um estudo descritivo retrospectivo, com abordagem quantitativa que utilizou os dados dos prontuários e das fichas Ado Sistema de Informação da Atenção Básica informações pertinentes ao paciente como dados sociodemográficos (n=39). Foram analisados 39 prontuários e nestes, foi observado que 92% dos pacientes tinham recebido alta a maioria das pessoas acometidas pela hanseníase foram os homens, com faixa etária entre 50 a 60 anos de idade, de cor branca, com nível de escolaridade ensino fundamental incompleto, com predominância do tipo Multibacilar e com forma Dimorfa. É importante salientar, que os resultados obtidos dessa pesquisa são de extrema importância e utilidade, pois através dessas informações se torna possível que os gestores de saúde desenvolvam educação continuada, palestras, ações preventivas voltadas principalmente para os homens já que os mesmos se mostram mais distantes das consultas que são feitas nas Estratégias de Saúde da Família.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Saúde. Legislação sobre o Controle da Hanseníase no Brasil. Brasília: Área Técnica de Dermatologia Sanitária, p. 4-31, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção básica.. Informada Atenção Básica Nº 42. A responsabilidade da Atenção Básica no diagnóstico precoce da hanseníase. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional de Eliminação da Hanseníase. Plano Nacional de Eliminação da hanseníase em Nível Municipal, 2006-2010. Brasília; 2006.

BRITTON, W. J; LOCKWOOD, D. N. J. World Health Organization.Leprosy, global situation.Wkly Epid Rec 2008; 33:293-300.Leprosy. Lancet 2004; 363: 1209–19.

BUDEL, A .R; Costa, C. F; PEDRI, L.R; RAYMUNDO, A.R; GERHARDT, C. Perfil dos pacientes acometidos pela hanseníase atendidos no Ambulatório de Dermatologia do Hospital Evangélico de Curitiba* . An Bras Dermatol. 2011;86(5):942-6.

DESSUNTI, E. M.; SOUBHIA, Z.; ALVES, E.; et al. Hanseníase: o controle dos contatos no município de Londrina-PR em um período de dez anos. Ver Bras Enferm,2008; 61: 689-93.

DUARTE, M. T. C; AYRES, J. A; SIMONETTI, J P; Perfil Socio economico E Demográfico De Portadores De Hanseniase Atendidos Em Consulta De Enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem 2007 setembro-outubro.

LANA, F.C.F.; AMARAL, E.P.; LANZA, F.M.; LIMA,P.L.;CARVALHO,A.C.N,

DINIZ, L.G. Hanseníase em menores de 15 anos no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Enferm 2007; 60(6): 696-

LANZA, F.M; LANA, F.C.F. Descentralização das ações de controle da hanseníase na microrregião de Almenara, Minas Gerais. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 19, n. 1, p. 187-194, Feb. 2011 . Available from

LIMA, A. R. A.; VILELLA, A. C. M.; ALMEIDA, A. L. C.; HIDALGO,A.S.A. Plano Estadual de Goiás –PES 2012-2015

MAGALHÃES,M.C.C.;ROJAS, L.I. Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil .Epidemil Rev Saude. 2007;16:75-84.

MENDONÇA, V.A.; MELO GEBA, TEIXEIRA A.L.;et al. Imunologia da hanseníase. Na BrasDermatol2008;83(4):343-50.

MORENO, C. M. C.; ENDERS, B. C.; SIMPSON, C. A. Avaliação das capacitações de hanseníase: opinião de médicos e enfermeiros das equipes de saúde da família. Rev. bras. enferm. [online]. 2008, vol.61, n.spe, pp. 671-675. ISSN 0034-7167

OMS .Organização Mundial de Saúde, Guia para Eliminação da Hanseníase Como Problema de Saúde Pública. 1º edição 2000.

PEREIRA, G.B. Relatório Técnico De Estágio 3 No Núcleo De Dermatologia Sanitária-Nds/Gedcat/Divep/Svs/Ses-Df Na Coordenação Do Programa De Controle Da Hanseníase Do Distrito Federal. Brasília, 2014.

PINTO NETO, J.M.; VILLA, T.C.S.;MENCARONI,D.A.;et al. Considerações epidemiológicas referentes ao controle dos comunicantes de hanseníase. Hansen Inernat2003;27(1):23-8

PINTO,R.A; MAIA, H. F; SILVA,M.A.F; MARBACK,M. Perfil Clínico e Epidemiológico Dos Pacientes Notificados Com Hanseníase Em Um Hospital Especializado Em Salvador, Bahia. Rev B.S.Publica Miolo. V 34 _ n 4.indd 906, 2011.

SANGI, K. C. C; MIRANDA, L. F, SPINDOLA, T; LEAO, A. M. M. Hanseníase e Estado Reacional: Históriade Vida de Pessoas Acometidas. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2009 abr/jun; 17(2):209-14. • p.209

SILVA, F. R. F; COSTA, A. L. R. C; ARAÚJO, L. F .S; BELLATO, R. Prática de Enfermagem na Condição Crônica Decorrente de Hanseníase. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2009 Abr-Jun; 18(2): 290-7.

VIEIRA, C. S. C .A.;SOARES M. T ;RIBEIRO,C. T. S. X., et al. Avaliação e controle de contatos faltosos de doentes com hanseníase. Rer Bras Enferm, 2008;61:682-8.

World Health Organization. Hanseníase hoje. Eliminação da hanseníase nas Américas. Organização Pan Americana/OPAS 1998;(6).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.